segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

A Misteriosa história de George Metesky



" Uma coisa eu não consigo entender é por que os jornais me chamam de Bomber Mad. É tão cruel." - George Metesky





16 de novembro de 1940, sobre o parapeito da janela do Edifício Edison é achado um pacote muito bem envolvido em uma nota escrita à mão: Con Edison Crooks – ESSE É PARA VOCÊ. Dentro do pacote, uma bomba que não explodiu foi encontrada. O incidente deixa a polícia perplexa, pois eles estavam certos que ninguém teria se esforçado para escrever um bilhete se a bomba realmente fosse explodir. Não encontraram impressões digitais, então a polícia considerou como um incidente isolado feito por algum maluco. Quase um ano depois, outra bomba que não explodiu é encontrada na rua a poucos quarteirões do local anterior. Novamente não existem ligações, e ninguém está ferido, então a polícia descarta envolvimentos entre os fatos. Três meses após a segunda bomba o Japão bombardeia Pearl Harbor e a polícia recebe um bilhete estranho:

Ele assina a nota, PF. Ele permanece fiel à sua palavra, não enviando nenhuma bomba durante a guerra. Mas continua a enviar cartas ameaçadoras ao “Con. Edison”, cinemas e a polícia durante o período de guerra. Todos continham um “FP” assinado. PF mantém a sua palavra, porém, as bombas reaparecem após a guerra.
Em 29 de março de 1950, quase 10 anos após a primeira bomba, outra, muito mais sofisticada é encontrada na Grand Central Station. É claro para a polícia que quem está fazendo isso usou sua pausa para melhorar suas habilidades de produzir bombas. Eles ainda estão confiantes de que ela não significa nenhum dano, pois nenhumas das bombas usadas parecem ter sido definidas para explodir. Um mês depois, no entanto, eles se enganam quando uma bomba destrói um orelhão na Biblioteca Pública de Nova York.
Durante os próximos seis anos, mais de trinta bombas foram encontradas ou explodiram, e mais cartas ameaçadoras foram enviadas. Nova York está nas garras de um louco, e a polícia não pode parar a execução de jornais onde publicam história após histórias sobre o "Mad Bomber".

Em dezembro de 1956, as bombas plantadas dentro das cadeiras do Teatro Paramount ferem seis pessoas. O inspetor encarregado do caso, inspetor de polícia Howard E. Finney, decide fazer algo inédito na época. Ele contrata um psiquiatra conhecido, para ajudar o FBI e militares, o Dr. James Brussel, que hoje é considerado um pioneiro em psicologia forense moderna.

Dr. Brussel, que possue graduação em criminologia e psiquiatria, analisou o caso. Ele orientou o inspetor explicando o perfil de Mad Bomber. Ele mesmo diz aos investigadores que, quando detido, o suspeito estaria vestindo um terno trespassado, abotoado. Este tipo de ferramenta era novo para o departamento de polícia, de modo que a executou nos jornais, esperando que alguém reconhecesse alguém que fizesse esse tipo.
Em resposta, o homem-bomba se torna mais agitado. Aumentam os atentados, e ele ainda faz chamadas ameaçadoras ao Dr. Brussel dizendo que ele seria "Desculpado". Ele também fica desleixado. Ele começa a enviar uma série de cartas ao jornal americano e comete o erro de dizer-lhes a data de sua reclamação com “Con Edison”.
Com esta informação, Alice Kelly, um trabalhador do “Cons. Edison” é capaz de encontrar o arquivo pessoal de George Metesky. Há até uma nota no arquivo ameaçando o “Con. Edison”.
Quando a polícia chegou à casa de Metesky, ele estava vestindo pijamas e diz-lhes, muito calmamente, "Eu sei por que você está aqui. Você acha que eu sou o Mad Bomber". Quando perguntado o que representa “PF”, ele simplesmente responde: "Fair Play". A polícia revira sua casa enquanto Metesky está se vestindo. Quando ele retorna, ele está vestindo um terno trespassado, abotoado.

O jornal americano tenta obter algum motivo para as ameças de Metesky contra o “Con. Edison”, mas não identificam nenhum motivo aparente.

Em 18 de abril de 1957, um juiz determina que ele não está mentalmente apto para ser julgado. Ele fica detido no “Matteawan Hospital for the Insane”. Depois foi transferido para a prisão quando foi determinado que ele não fosse ficar mais em um hospital da prisão. Metesky é solto em 1970, não é considerado mais uma ameaça para a sociedade. Ele viveu até os 90 anos de idade.
Uma das coisas que torna este processo tão interessante, é que Metesky não matou ninguém. Embora a polícia chame isso de "um milagre", George Metesky sempre argumentou que ele criava as bombas sem a finalidade de matar.
Mass bombardeiros modernos, tais como o "Assassino do Zodíaco" e Ted "Unabomber" Kaczynski usaram muitos dos métodos de Bomber Mad's. Ted Kaczynski escrevia FC em suas bombas, que segundo ele significava: “Freedom Club”. Os métodos de Mad Bomber têm mesmo sido explorados em programas de TV populares, tais como CSI e Criminal Minds. No episódio de CSI "Boom", o suspeito inscreve FP nas extremidades de suas bombas, e no episódio de Criminal Minds "Extreme Aggressor" soldados são interrogados sobre o seu passado.

Um comentário:

  1. Como que a polícia solta um cara desses? *0*

    Ele não matou ninguém APARENTEMENTE.

    MAs isso não significa credibilidade!

    ResponderExcluir